Como parte de seu discurso na cerimônia de posse, na sede da OTAN em Bruxelas, o general disse que, atualmente, a aliança enfrenta o "ressurgimento da Rússia, que tende a mostrar-se como uma potência mundial". Outros desafios, em sua opinião, são o terrorismo e a crise dos refugiados, o que contribui para a instabilidade no Norte da África e no Oriente Médio. "Para responder a estes desafios, temos de continuar a manter e elevar o nível de nossa vontade e a mobilidade em espírito, a fim de ser capaz de entrar em batalha, hoje mesmo, se a dissuasão falhar",— cita senhor Скапаротти o serviço de imprensa do Pentágono.

Anteriormente, em entrevista ao The Wall Street Journal, o general da força AÉREA dos EUA Philip Бридлав, vagueando post главкома da OTAN na Europa, falou sobre uma série de questões, incluindo a relações tensas com a Rússia. O senhor Бридлаву também foi questionado sobre como ele vê o sucessor de Vladimir Putin. "De acordo com meus conselheiros — e eu concordo com isso — quando falamos de líderes russos, não se trata apenas de um homem, e sobre cabeça com a estreita aproximação". "Eu não tenho certeza de que a situação seria melhor se dirigiu não Vladimir Putin. Ele é a voz do bom senso no seu círculo médio", disse Бридлав.

Lembre-se, Philip Бридлав chamou os EUA de reforçar a exploração, devido à ação da Rússia. Бридлав disse sobre a necessidade de usar a mais moderna tecnologia, em particular, de satélites de reconhecimento, rastreiam o movimento de tropas.