Como explicou o comandante das forças armadas Nacionais Letónia Raymond Граубе, "devemos ser solidários e partilhar a experiência que temos, juntando-se a OTAN e a participação em operações internacionais". Ele também contente que o letão militares durante uma troca de experiências com os ucranianos terão valiosos conhecimentos acumulados durante os combates no leste da Ucrânia.

Sob a orientação de instrutores da Letónia, da Lituânia, estados unidos, Canadá e reino Unido, a OTAN planeja até o final de 2016 treinar 5 batalhões de infantaria e batalhão de forças especiais da Ucrânia.