Макаревич se recusou a falar com os repórteres edição alemã sobre a política, observando que ele é profundamente desinteressante: "Eu já disse tudo o que queria e, desde então, pouco mudou. Eu tento não nos preocupar com os eventos que de mim não diretamente dependentes, há a sensação de que, por exemplo, a guerra na Síria de mim, não depende de nenhum".

Ele também disse que sua atitude para com a vida e com o que está acontecendo regularmente expressa em suas canções. "Eu realmente não quero ficar sócio-político, mais ainda, quando eu vejo, como me é querer obrigar, - apontou Макаревич, acrescentando que ele e assim cada canção fala sobre sua relação com o que está acontecendo, e o público é interessante. - Eu até vazias salas de não ter jogado, tomam-nos bem, então eu vejo que é interessante não só para nós um".

Quando o fizer, o cantor explicou, em entrevista a publicação, que não quer pensar em deixar a Rússia. "Posso resolver os problemas que chegam até esses pensamentos da minha cabeça não vêm. Espero que tais circunstâncias não ocorrerá", explicou ele.

No momento em que a "Máquina do tempo" está a preparar um novo álbum. "Eu acho que a partir de maio de nós terminaremos esta obra, e você terá a oportunidade de ouvi-la. Fazemos assim, para que tenham gostado de nós mesmos, ele será no estilo de "Máquina do tempo" - tudo o que posso dizer", sublinhou o Макаревич.