"Do ponto de vista da humanidade, Alemanha agiu corretamente, no entanto, do ponto de vista da segurança, ela sofreu um colapso completo", disse Silva.

Ele afirma que a Macedónia propôs a troca de informações sobre a suposta джихадистах, mas a reação não foi seguido nem por parte da Alemanha, nem a união Europeia.

"Se tivéssemos em questões de segurança não confiaram em si mesmos, e em Bruxelas, para nós, já teria há muito tempo inundaram os fluxos dos jihadistas", — diz o macedônio presidente.

Segundo ele, o poder da Macedónia apreendeu os refugiados 9000 passaportes falsos. Silva assume que com esses documentos, a "rota dos balcãs" queria sair de muitos radicais islâmicos.

"A macedónia, a não ser um membro da UE, protege a Europa de um membro da UE, ou seja, — a partir da Grécia", disse o chefe da Macedónia, destacando que Atenas estavam dispostos a perder através da fronteira e sobre a Europa titulares de documentos falsos. No entanto, apesar disso, "a Europa não se importam com a Macedónia", concluiu Silva, a julgar pelo fato de que a Grécia "mais uma vez recebeu de 700 milhões de euros da UE", e Macedónia — nada.

Macedónia desde 2005, é candidato à adesão à União europeia. O país, onde a Grécia encaminhadas para os migrantes, as "балканскому rota para o oeste da Europa, no final de fevereiro de 2016 deixou de ignorar os cidadãos do Afeganistão e reforçou a verificação de documentos chegam cidadãos da Síria e do Iraque. Alguns meses antes de Skopje permitiu a entrada apenas aos moradores desses três países.

29 de fevereiro de centenas de migrantes tentou romper com a Grécia no македонскую território através de uma cerca de metal na fronteira e começaram a jogar pedras em преградивших-lhes a estrada da polícia. Em resposta, as autoridades usaram gás lacrimogêneo. No momento em transição Идомени em grego-macedônio fronteira são cerca de 10 000 refugiados.