Em 2011, João Pereira de Souza salvou o pássaro, coberto de petróleo e estava à beira da morte. Ele chamou temporário animal de estimação Диндимом.

Brasileiro limpei o pingüim de petróleo e alimentou o pássaro do peixe. Depois de uma semana de Souza tentou lançar Диндима no mar, mas o animal de estimação se recusou a sair de salvador.

Segundo um morador do Brasil, o pinguim viveu com ele 11 meses. Após a mudança de plumagem Диндим desapareceu, mas depois de alguns meses voltou. Ele notou mestre na praia e seguiu para casa.

Ao longo dos últimos cinco anos Диндим passa oito meses do ano com o brasileiro. Acredita-se que o resto do tempo ele passa perto da costa da Argentina e do Chile.

"Eu amo o pinguim como seu próprio filho, e eu acredito que o pingüim gosta de mim", contou Souza.

Como sugerem alguns especialistas, um pássaro, talvez, acredita o brasileiro parte de sua família, e até mesmo um pinguim.