Espera-se que a decisão sobre a prorrogação de sanções, será finalmente tomada nos próximos dois dias, em uma reunião de ministros do interior e da justiça dos países da UE e, em 12 de março de sua publicação na revista da UE.

As sanções são distribuídas em 146 pessoas, que de uma forma ou outra contribuíram continuou a inflamar o ucraniano conflito, indica dpa. Exemplares medidas sugerem a proibição de entrada na União europeia, bem como o congelamento de ativos nos países da UE, em que estão mais de 37 instituições, empresas e organizações.

Na lista negra da UE entraram, em particular, o vice-primeiro-ministro russo, Dmitri Rogozin, assessor do presidente da RÚSSIA, Serguei Глазьев, e também amigo de Putin, o bilionário Arkady Rotenberg.