Se os pressupostos de cientistas forem confirmados, este será o maior achado do egito de arqueologia.

Em conferência de imprensa na quinta-feira, 17 de março, Дамати informou que a análise de digitalização da tumba de Tutancâmon, feito em novembro do ano passado, revelou a presença de áreas vazias por duas paredes de câmara funerária do faraó. Segundo ele, o resultado da análise apontam para "uma variedade de objetos atrás das paredes, uma variedade de materiais que podem ser metálicos, orgânicos".

Дамати disse que o gasto em novembro de digitalização com probabilidade de 90% diz que por trás das paredes do túmulo de algo para comer. A análise de dados resultantes de uma pesquisa realizada no Japão.

No final de março, uma equipe internacional de cientistas está prestes a realizar outro exame com o uso de tecnologias mais sofisticadas. Ele deve confirmar a presença de vazios por trás das paredes, após o que, de acordo com o ministro, será discutida a questão sobre o acesso a estas salas.

"Nós temos 90% de certeza de que a sala lá. Mas a fase seguinte só começa quando vamos ter a certeza de que isso é 100%", afirmou Дамати.

Um egiptólogo britânico Nicholas Reeves, que dirige a investigação, acredita que, inicialmente, no mausoléu do rei Tut foi padeceu de Nefertiti. Segundo os cientistas, agora seu corpo está atrás de uma parede de câmara funerária do faraó.