Como afirma o autor do artigo, desclassificados documentos do departamento de estado indica que a inteligência americana financiou o processo de criação da UE e tentou atrair o projeto Grã-bretanha. Assim, em um documento datado de 26 de julho de 1950, assinado por um general dos EUA, William Донованом, возглавлявшим então analógico CIA, fala sobre a campanha de promoção do Parlamento europeu.

No divulgados documentos também há informações de que a CIA impediu os fundadores da UE a procurar fontes alternativas de financiamento, a fim de que não é possível reduzir a dependência dos estados unidos.

A relação entre os EUA e a UE dificilmente pode ser chamado de rosado, escreve o autor do artigo em The Telegraph. No entanto, em sua opinião, atualmente, cheio de ameaças externas, os europeus precisam de apoiar a preservação do bloco europeu.