"Comissão especial sobre o assunto trabalhou mais de dois anos. Portanto, nós em sua consulta insistimos que foi dada uma lista, um relatório sobre quais os resultados obtidos, foram utilizados os meios de meio milhão de euros", disse ela. De acordo com Судрабы, recebeu da comissão de apelo de publicar os dados de агентуре KGB na Letónia, significa que esta comissão, na verdade, já terminou o seu trabalho.

"É importante para as próximas etapas foram cientificamente comprovadas, para que não haja problemas com os direitos humanos e todo o resto", disse ela.

"Para lá não foram as pessoas, que está preso a essas listas, por alguma secundária razões. Nós queremos ter certeza de que a comissão realmente cumpriu o trabalho que teve. Para quando a publicação de listas de tudo o que foi verificado, tudo era claro e não surgiu, então, problemas, inclusive com algumas reivindicações ao estado. Para isso, foi correta do ponto de vista da ciência histórica o trabalho", diz o Судраба.

Na introdução de "sacos KGB", é claro, é hora de colocar um ponto final, afirma Судраба. Porque fala sobre isso há mais de 25 anos:

"Nossos vizinhos em outros países, é muito fez. E para aqui este ponto foi correctamente colocada — a comissão trabalhou quantos anos já. Quanto dinheiro é gasto! Deve ser clara, como fazer, como, finalmente, colocar um ponto final e continuar a viver" — com certeza, ela é.

Anteriormente, a comissão de estudo de funcionamento da KGB, decidiu-se solicitar ao presidente Раймонду Вейонису revogue a lei especial sobre a KGB e transferir o conteúdo do "sacos ЧК" para o público. Líder da comissão Efeito Кангерис lembrou que a comissão está ainda em 2015, por unanimidade, decidiu sobre o fato de que, em nome da verdade histórica, a liberdade de expressão e a coesão de uma sociedade completamente e, imediatamente, divulgar e enviar, para o livre estudo de todos os materiais da KGB.

De acordo com Вейониса, o grau de disponibilidade de documentos vai depender do resultado dos trabalhos da comissão de investigação científica de documentos de um ex-KGB, e a comissão terá muito trabalhar intensamente para até 31 de março de apresentar ao governo implantado justificativa, o quão amplamente disponível deve ser esta informação.

"A sociedade tem o direito de saber das páginas mais negras da nossa história, incluindo aquelas que podem ter colaborado com a KGB. A lei diz claramente que esta informação até o fim do próximo ano deve estar disponível de acordo com a decisão do governo", disse o chefe de estado em 15 de novembro.