Se em 2007 a alienação sentiram 10% da população da Letónia, em 2016 — a 8%, dois pontos percentuais a menos. É no mesmo nível que a média da UE.

Os mais alienados, na Letónia, sentem-se as pessoas de baixa renda — 12%, entre as pessoas com renda de 6%, entre os desempregados — 11%, entre os que trabalham — 5%. Em 2007, socialmente alienados sentiram-se 32% de desempregados.

Tem 16% da população da Letónia, a vida agora é tão complexo, que é quase impossível encontrar um lugar, com 14% pensam que o seu trabalho não é valorizado, e 20% sentem-se pior do que o outro por causa do trabalho.

A pesquisa sugere que, em alguns aspectos da relação de trabalho e de vida privada na UE piorou. Na Letónia, excessivamente cansados do trabalho, para cumprir os deveres domésticos, sentem-se 66% dos moradores, em 2007, era de 61%. Na UE, em média, excessivamente cansados do trabalho 59% da população em 2007 era de 49%.

29% os moradores da Letónia é difícil concentrar-se no trabalho devido a responsabilidades familiares, em 2007, era de 22%. Na UE, em média, é apontam para 19% dos entrevistados.

Na Letónia otimistas sobre o futuro 69% da população, e tais mais em grupos etários mais jovens.

O estudo concluiu que, em geral, em 28 países da UE há progresso na melhoria da qualidade de vida.