O relatório anual World Happiness Report, elaborado pela Sustainable Development Solutions Network, a pedido das nações UNIDAS. Os especialistas analisaram o nível de vida, considerando fatores como o PIB per capita, o apoio social dos cidadãos do estado, a expectativa de vida e atitude em relação à corrupção. Riqueza material não é o principal parâmetro que influencia a sensação de felicidade, apontam os autores do estudo. Assim, a Letónia, no período entre 2005-2007 e 2014-2016 anos demonstrou um rápido crescimento do índice de felicidade. De acordo com este indicador, o país ficou em segundo lugar no mundo, acompanhando a Nicarágua e à frente de Serra Leoa. Quando o fizer, por exemplo, nos estados unidos rendimentos de residentes cresceram, e a sensação de felicidade foi para baixo.

A primeira posição no ranking para o período de 2014 a 2016, a rússia ocupa a Noruega, que mudou para o segundo lugar com a Dinamarca (é líder do ranking de três vezes em cinco anos de estudos). Além da Noruega e da Dinamarca top 10 países mais felizes totalizaram Islândia, Suíça, Finlândia, Holanda, Canadá, Nova Zelândia, Austrália e Suécia.

Apenas os especialistas estudaram 155 países e territórios. O mais infeliz foi a República centro-Africana, lado a lado, Burundi, Tanzânia e Síria (em 2016, o mais miserável país do mundo reconheceu o Burundi).

Letónia no ranking, o conjunto das nações UNIDAS de especialistas de Rede para a geração de soluções na área de desenvolvimento sustentável, localiza-se em 54 ª linha (de um ano atrás foi 68), uma vez que, entre a Argélia e a Moldávia. Para comparação, a Lituânia leva 52 º lugar (mais de 8 lugares), Estónia — 66-f ( 6).

Quanto aos outros países, os estados unidos no ranking de felicidade — 14-e, Irlanda — 15-eu, a Alemanha — 16-eu, reino Unido — 19-eu, França — 31-i, do Uzbequistão — 47 — 49-i ( 7), Turcomenistão — 59, Bielorrússia — 67-eu (-6), China — 79 º, Ucrânia — 132-eu (-9).

Os redatores do relatório explicam que o nível de felicidade da população nem sempre corresponde a um nível de vida no país. A satisfação do afeta a combinação de direitos econômicos, sociais e de fatores naturais. É também de referir que os cidadãos dos países com menos desigualdade social mais feliz.