Como dito no site do presidente da Ucrânia, Kiev sugere que, no futuro próximo, a Rússia continuará a perseguir o objetivo de "esgotamento da economia ucraniana" e minar a estabilidade no país, que visam a "destruição da Ucrânia e a captura de seu território".

Alcançado isto é também um meio de aplicação de força militar, métodos de "híbrido de guerra" e através de "desestabilizar o ambiente no балто-черноморско-mar da região", diz o comunicado Poroshenko.

Além disso, em Kiev, medo de fortalecimento da Rússia "facções militares perto da fronteira do estado de Ucrânia e na temporariamente ocupada ucraniana local, para além de "alojamento na península da Criméia, tático de armas nucleares".

O conselho de defesa e segurança nacional (CSDN) pediu ao gabinete de ministros assegurar a incorporação de projetos de lei, visando a rápida implementação das disposições deste conceito.

Juntamente com o conceito de segurança Poroshenko aprovou e uma nova estratégia de segurança cibernética do país. No regulamento, em particular, observa-se que esta área torna-se "cada vez mais vulnerável para o reconhecimento-a subversão dos serviços de segurança externa".

Quando o fizer, a base para tal dinâmica, torna-se o largo a atividade de organizações, grupos e indivíduos, "direta ou indiretamente relacionados com a RÚSSIA", afirma o documento.

Para se proteger contra недружелюбного vizinho a Ucrânia está contando com a ajuda da OTAN. Embora o documento não fala diretamente sobre a intenção do país a se juntar à unidade, a Ucrânia tem a intenção de implementar os princípios e normas adoptadas nos estados-membros da OTAN.

Mais cedo, o presidente da Ucrânia Poroshenko em entrevista турецкому o canal TRT World disse que Kiev retornará sob o controle de um território ДНР e ЛНР durante o ano. Ele disse que as autoridades vão devolver o Donbass de forma pacífica.

Apesar de pública de compromisso de harmonizar suas normas com as normas da NATO, fala sobre a adesão da Ucrânia à organização até que não é: o país não está preparado para isso, afirmou o diretor interino da chefe da missão da Ucrânia na OTAN Egor Божок. Essa decisão deve ser tomada em всеукраинском referendo, lembrou ele.

Sobre a impossibilidade de ocorrência da Ucrânia no bloco militar e a união europeia disse, alguns dias antes, e o presidente da Comissão europeia, Jean-Claude Juncker. De acordo com ele, é possível não antes de 20-25 anos.