"Sobre o fato de que eles "têm medo de seu grande vizinho". Quando desapareceu a URSS, eles passaram seus referendos e foram "liberados com o mundo", não, não ameaçava, — lembrou a Rússia. — Houve alguns excessos, incluindo, em Vilnius, na телецентре. Até agora, infelizmente, pessoas de idade avançada, que em nenhum civis não atacaria, e apenas protegeu o centro de televisão, cumprindo a ordem, таскают de lituano para os navios e tentando culpar todos os pecados mortais. Acredito que é finamente e desonestamente".

O primeiro-ministro lembrou que a União Soviética "nenhuma tentativa de manter a força Báltico não fez". No entanto, a gratidão é o lado прибалтов não foi. Ainda mais, se seguiu a reclamação do pagamento supostamente por danos contra a união SOVIÉTICA.

Falando sobre o problema de não-cidadãos dos países Bálticos, rússia, Serguei Lavrov disse que a Rússia necessita de um "não sem o exagero de coisas, mas apenas o que está contido nas recomendações do Conselho da Europa, a OSCE e o Comitê da ONU sobre a eliminação da discriminação racial".

"Nos é dito que eles têm tudo bem — o número destes cidadãos reduzido", acrescentou o chefe da diplomacia RUSSA. — Mas de acordo com nossas estatísticas é o número reduzido devido ao fato de que as pessoas morrem, alguém desesperado e pediu a cidadania russa, alguém simplesmente foi embora. A taxa de concessão de cidadania muito baixo".