Do norte, em particular, disse: "Nós sempre alertou que desenha para a expansão infinita da aliança para o leste, que é o direito de cada país escolher a sua forma de garantir a segurança, bilaterais ou multilaterais sindicatos), é preciso entender que, se a infraestrutura militar aproxima-se de russos limites, nós, naturalmente, vamos tomar as naval de medidas técnicas... nada pessoal, é um negócio". (Citação de FEIRA.)

"Todos nos dizer, que nenhuma intenção de tomar algumas medidas de segurança danos a Rússia, a OTAN não, chamou a atenção o chefe da diplomacia RUSSA. — No entanto, se não há a intenção, e a infra-estrutura diretamente "nosso limite", é um começo, provavelmente, não terá nada de intenções, e, a partir disso, o que vemos com os olhos".

"Quando dizem que a Rússia se tornou perigoso agir perto da OTAN, eu acho que é нечистоплотная tentativa de colocar tudo de cabeça para baixo", — disse Medvedev. — Acontece que, ampliando-se cada vez mais, A aliança de todos os mais denso se aproxima de nossas fronteiras. A aliança já violou O acto fundador de 1997 г., onde se diz o que não deve ser permanente significativa de forças de combate no território dos novos membros".

Especial atenção na entrevista, o cardeal do repartiu os países Bálticos: "Temos em nossas натовских colegas perguntavam por que eles querem tomar Báltico. Nos responderam que eles (os países bálticos) preservados todos os tipos de fobia ainda era soviética e o período da Primeira guerra mundial, quando tudo começou. Na aliança que expressaram o entendimento de que a Rússia para eles (para países bálticos) não representa nenhuma ameaça, mas eles são, supostamente, a psicologia é: eles vão para a OTAN e eles podem descansar, tudo vai em paz, de forma construtiva e só vai ajudar a desenvolver boas relações... aceito no OTAN, mas nenhum de conforto não é, especialmente para nossos vizinhos lituano".

Agora, sobre a aprovação de Lavrov, "eles são o mais agressivo русофобским o kernel, o que faz com que a OTAN, usando o princípio do consenso, o ir sobre o desenvolvimento sustentável, антироссийскому a taxa de câmbio". "E isso não tem nada a ver com o idioma russo população. Por exemplo, quando ocorreu a aquisição de independência destes países, tivemos um problema, que vemos exclusivamente por via diplomática, por exemplo, com a Letónia e a Estónia, onde uma grande parte da população não recebeu os direitos dos cidadãos, — disse Lavrov. — Na Lituânia, a cidadania tem tudo. Portanto, a caseira com a lituânia temos nenhuma questões não foi". Moscovo planejado para cooperar, ativamente прорабатывала planos, incluindo o de Kaliningrado, de co-exploração econômica de projetos. No entanto, agora, de acordo com o chefe do MRE da Rússia, "a Lituânia, por alguma razão foi o mais русофобской país Báltico".