Como se sabe, após os atentados em Nova York em setembro de 2001, a administração do presidente dos estados unidos, George w. Bush declarou guerra aos terroristas. Logo depois da base militar de Guantánamo foi criada uma prisão, em que свозились todos os suspeitos de terrorismo detidos pelos norte-americanos durante as operações contra o terrorismo em diferentes cantos do mundo.

Depois de cerca de seis meses após a abertura desta prisão cheguei lá e 24 anos de idade, узбек Камаллудин Касимбеков, o qual o jornal The New York Times chamou o membro do "movimento Islâmico do Uzbequistão". Esta organização estava em estreita colaboração com o movimento da Al Qaida.

"O detento afirmou que o seu recrutou um amigo Abdul Раоуф. Depois que ele foi contratado, Касимбеков deixou o Uzbequistão e dirigiu-se ao Tajiquistão. Em agosto de 1999, sobre estudou em неустановленном acampamento, onde tem habilidades de lidar com uma metralhadora Kalashnikov (AK-47) e противотанковым lança-granadas. Uma semana depois, ele saiu do Tajiquistão em неустановленное lugar no território do Quirguistão, onde o líder do movimento Islâmico do Uzbequistão" Намангани levou em cativeiro a três cientistas japoneses", diz o relatório sobre a personalidade Касимбекова.

No ano de 2000, Касимбеков dirigiu-se para o Afeganistão na máquina em que tem sido transportada armas. Lá, ele passou cerca de 10 meses, trabalhando na oficina. Em seguida, ele decidiu visitar a sua família, o restante no Uzbequistão, mas lá foi detido e, em seguida, puseram na cadeia local.

Após sua libertação, ele voltou para o Afeganistão, onde na época o movimento Islâmico do Usbequistão, juntamente com талибовцами conduziu a guerra contra os EUA e seus aliados. Logo Касимбеков chegou aos americanos em cativeiro.

Касимбеков passou na prisão de cerca de 8 anos. Ele foi libertado no ano de 2010 e 22 de julho entregue na Letónia, onde atribuiu o status de uma pessoa que não tenha nacionalidade. Um homem não pode voltar para o Uzbequistão, porque lá novamente serão julgados por sua participação no "movimento Islâmico do Usbequistão e o assassinato de dois policiais.

De acordo com dados oficiais, Касимбеков pediu ao tribunal dos EUA após a отсидки encaminhá-lo para um outro país. Todas as acusações feitas contra ele no Uzbequistão, ele chamou infundadas.

Na Letónia Касимбекову forneceu o espaço de vida. Ele também se comprometeu a aprender o idioma letão e observar as leis de PORTUGAL. Os repórteres do programa de facto localizou o amigo Касимбекова — иракца Ашрата Талеба. Ainda há cerca de seis meses cidadão do Iraque viveu no Муцениеках. Taleb, gostaria de obter o estatuto de refugiado, mas na Letónia, ele a recusou. Agora, ele pretende ir para a Alemanha.

Vendo a foto Касимбекова, иракец-lo imediatamente lembrou-se e disse, que o ajudou a encontrar-lhe um emprego. Sobre o passado узбека ele não sabe de nada, mas chamou-o ágil homem.

Quanto à reação da letónia aplicação da lei, a Polícia de segurança categoricamente refutou a ideia de que o Касимбеков pode novamente voltar a lutar no Oriente médio.